A reconstrução de mama é especialmente utilizada nos casos de ocorrência do câncer de mama, condição essa que necessita de tratamento por meio de cirurgia plástica, buscando resultados agradáveis e que ajudam a paciente a recuperar sua autoestima com o próprio corpo.

A reconstrução de mama pode ser realizada logo após a retirada do tumor ou após algum tempo, sendo tomada essa decisão somente depois de realização de exames e conversa entre a paciente e o médico.

Outro ponto importante é que a reconstrução só deve ser feita se o quadro clínico da mulher estiver estável ao decorrer da retirada das células e tecidos afetados pelo câncer.

Por isso, pacientes com menor agressividade podem se beneficiar com essa técnica, em contrapartida casos com estágio mais avançado ou mito agressivo, em geral, não se realiza tal procedimento, por conta dos riscos à saúde.

Tipos de tratamento

 

Reconstrução imediata:

recomendado as pacientes que desejam passar reconstrução e que apresentam situação clínica estável. A cirurgia é longa e essa decisão precisa de aval do profissional responsável pelo caso.

Reconstrução tardia:

realizada em pacientes que já retiraram o tumor e finalizaram tratamentos complementares, como quimioterapia e radioterapia. Após a liberação dos demais profissionais, o cirurgião pode efetuar a reconstrução da mama afetada pelo tumor ou até mesmo em ambos os seios, se assim o caso permitir.

Relação médico-paciente  

Ponto essencial para alcance dos resultados, passa pela boa relação médico-paciente que deve ser baseada na confiança e detalhamento das conversas, por meio de explicações aprofundadas dadas pelo profissional.

Portanto, a decisão do cirurgião juntamente com o local de realização desse procedimento torna-se quesito fundamental para tratamento e recuperação.

Último ponto, mas não menos importante é a compreensão da técnica e suas especificidades, pois cada médico-cirurgião acaba ao longo da carreira optando por determinada condução dos casos.

Sendo assim, a paciente deve perguntar em consulta, maiores detalhes e tudo sobre a técnica que pretende ser utilizada. Como não existe uma única técnica preponderante é importante ouvir a opinião pessoal do médico também.